Buscar
  • Ricardo Batista

HOME OFFICE: A ASCENSÃO DO NOVO MODELO DE TRABALHO

Atual condição da saúde mundial faz empresas repensarem suas formas de trabalho.


Coronavírus: o assunto do momento. Quem imaginaria que uma pandemia estava batendo à nossa porta, e que mudaria tanto o nosso estilo de vida? E se tem algo que mudou foi o modo como trabalhamos. Inúmeras empresas precisaram se reinventar, optando pelo serviço remoto, o chamado home office, na busca pelo cumprimento de decretos governamentais, ao mesmo tempo em que lutam para manter o emprego de seus colaboradores e reduzir custos. Foi assim que o termo home office ganhou destaque em reuniões empresariais.

Home office (escritório em casa) consiste nas atividades profissionais exercidas de forma remota em sua casa, seja como funcionário de uma empresa, freelancer ou empresário autônomo. Uma das condições primordiais para o desempenho do trabalho em home office é o acesso à internet, dado a necessidade de conexão em tempo real para a manutenção e exercício do serviço a ser prestado. É um meio de trabalho comum entre designers, consultores, profissionais de TI, vendedores, dentre outros.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que houve um aumento de 21,1% dos trabalhadores que optaram por trabalhar em casa, ou até mesmo em outros espaços, como o coworking, entre 2017 e 2018. O avanço dos meios de comunicação em paralelo com o tecnológico, colaborou para que as empresas aderissem a esse novo método de trabalho. Com isso, espera-se o aumento da produtividade, melhores condições de trabalho e redução do estresse, este último muitas vezes advindo do deslocamento de suas casas.

Fato é que pessoas com menos estresse produzem melhor. Para reforçar esta tese, uma pesquisa realizada pela Isma-BR (representante da International Stress Management Association) indicou que 72% dos brasileiros relataram que estão frequentemente estressados em razão das atividades profissionais que desempenham. Estando em casa, o trabalhador pode exercer suas tarefas com maior comodidade, além de ter mais tempo para si e sua família, o que é muito importante para sua saúde. Sem falar na redução de custos com alimentação e transporte. Para quem utiliza o transporte público esse modo de trabalho é ainda mais benéfico. O trabalhador brasileiro gasta em média 1h20m por dia dentro de um ônibus. Isso dá aproximadamente 26h40m por mês, contando 20 dias de trabalho. É um tempo que poderia ser investido em estudos, exercícios físicos e até em descanso.

Se por um lado temos essas e várias outras vantagens do trabalho remoto, por outro temos a insegurança de algumas empresas ante o fato de que, para uma produção efetiva, julguem necessária a fiscalização do serviço exercido pelo colaborador. Há outros fatores que precisam ser considerados, dentre eles o compromisso do colaborador em cumprir suas tarefas e obstáculos com a legislação brasileira em razão da informalidade.

A realidade é que alguns empresários não se sentem confortáveis com o serviço remoto, pois existem funções que preferem acompanhar de perto e não abrem mão de fazerem isso pessoalmente. O colaborador, por sua vez, precisa ter foco no seu trabalho. Por estar em casa é fácil se dispersar para ver um filme, dormir até tarde ou extrapolar o intervalo do almoço. Além disso, Fernando Cotanda, professor de Sociologia e coordenador-adjunto da especialização em Relações de Trabalho da UFRGS, diz que:

"É importante lembrar que este fenômeno está fortemente ligado ao crescimento da terceirização e da informalidade no Brasil. Portanto, é preciso cautela ao imaginar cenários positivos. O que quero dizer é que o home office, no caso brasileiro, também pode estar associado à precarização do trabalho, especialmente de intensificação da jornada de trabalho e perdas de direitos."


Minha sugestão para você, Empresário:

  • Converse com seus colaboradores, para saber qual a opinião que eles têm sobre o assunto;

  • Avalie os custos e viabilidade para esta transição;

  • Acompanhe a evolução do seu colaborador e demonstre confiança em seu trabalho;

  • Promova a conexão entre toda a equipe. Assim, todos saberão o trabalho que está sendo desenvolvido;

  • Esteja disponível para soluções imediatas de problemas que seu colaborador não for capaz de resolver.

Minha dica para você, Colaborador:

  • Seja responsável com suas tarefas. Cumpra prazos e metas estabelecidos pela empresa;

  • Defina seu expediente. É importante que, mesmo trabalhando em casa, você tenha uma rotina de trabalho definida;

  • Faça o melhor possível e esteja aberto à críticas e sugestões;

  • Pense como seu empregador e se auto avalie, analisando os pontos positivos e negativos do seu trabalho e o que deve melhorar.

Espera-se que o trabalho em home office se torne uma tendência no futuro, em razão da crescente adesão. Se você pretende migrar do seu trabalho formal para esta modalidade tenha em mente que antes de qualquer decisão, faça um bom planejamento financeiro, independente do seu segmento. Se tem algo que podemos aprender com este período de pandemia é que todo imprevisto deve ser levado em conta.


Referências:

Das redes sociais ao empreendimento: Home Office cresce no Brasil. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/dino/das-redes-sociais-ao-empreendimento-home-office-cresce-no-brasil,1a6356370292f7add51b7afac60fc53dr5t3wvk5.html

No Limite. Disponível em: http://www.ismabrasil.com.br/img/estresse105.pdf p.20

Brasileiros gastam, em média, 1h20 por dia em transportes públicos. Disponível em: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/02/brasileiros-gastam-em-media-1h20-por-dia-em-transportes-publicos.html

Home office deve crescer 30% após pandemia, aponta estudo. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/educacao-e-emprego/noticia/2020/04/home-office-deve-crescer-30-apos-pandemia-aponta-estudo-ck8xhw41a028w01ntnswlkf5u.html



18 visualizações